Image

O instituto Riken de Investigação do Japão desenhou um “supercomputador” que permitirá fazer estudos de proteínas a uma velocidade inédita até agora para o desenvolvimento de fármacos.

A instituição concluiu o desenho do computador e prevê que este esteja em funcionamento ainda este ano no Centro de Ciências de Computação Avançada de Kobe, que também alberga o “supercomputador K”.

A novo “supercomputador” é capaz de gerar em três dimensões as modificações estruturais das proteínas em apenas um dia, 100 vezes mais rapidamente que o “K”.

A japonesa Hitachi participou no desenvolvimento do novo “supercomputador” que tem um custo estimado de 5,6 milhões de euros.

Fonte: Jornal de Notícias

Advertisements