Archives for the month of: December, 2013

Criar um blog nos dias de hoje é cada vez mais frequente, podemos até dizer que ser blogger profissional é o desejo de muitas pessoas e uma forma de ganhar dinheiro na internet. Em muitos países ser blogger é uma profissão, os melhores blogs são internacionais e são feitos por pessoas que dedicam todo o seu tempo aos seus espaços de comunicação, porque têm reconhecimento e são remunerados por todo o seu trabalho.

Esta ideia de ter um blog profissional, e viver exclusivamente dessa fonte de renda, ainda é algo muito novo, porém alguns profissionais consideram esta prática como verdadeira forma de empreendorismo online.

Pensarmos num espaço que tem mais de 50 mil visitas diárias é perceber o valor de um blog. Algumas revistas semanais ou mensais têm tiragens bastante inferiores às visitas de um blog, como também existem programas de televisão que não têm tanta visibilidade.

Para além desta plataforma os bloggers utilizam as redes sociais, Facebook, Twitter, Instagram e Youtube para divulgar os conteúdos publicados no blog. Tudo vale para captar a atenção dos leitores.

Em Portugal, esta atividade ainda não é muito valorizada, existem alguns profissionais que prolongam aquilo que fazem para um blog, mas ao ponto de fazê-lo crescer e torna-lo num negócio e, consequentemente, numa profissão, apenas existe um: A pipoca Mais Doce.

debwe

Fonte: dinheiro vivo – Crónicas de uma Desempregada: O negócio dos blogs

Advertisements

presenca_em_redes_sociais

O ano de 2013 veio revolucionar o mundo da internet. Os smartphones chegaram e conquistaram cada vez mais utilizadores, um número totalmente arrebatador como quatro milhões de portugueses. O acesso ao mundo online através de telefones móveis, generalizou-se de tal forma que criou um verdadeiro début politica nas redes sociais.

Este ano o Facebook e o Twitter serviram de ferramentas mobilizadoras de manifestações organizadas, através dos movimentos – Que se Lixe a Troika (Portugal) e Passe Livre (Brasil). A estes movimentos, juntam-se muitos mais que pretendem mobilizar um vasto número de pessoas. O ano 2014 para além de prometer dar continuidade a esta revolução, tende a ser mais inovador na era da tecnologia digital.

O Twitter estará mais forte, milhões de utilizadores em todo o mundo, irão consumir pela primeira vez anúncios na plataforma Twitter Ads.

O mobile vai explodir em apps. As marcas precisam de criar estratégias de longo prazo, para captar a atenção do consumidor.

Muitos data scientists irão aplicar técnicas e correlações a dados de social media para conhecer melhor os hábitos de consumo.

Em 2014, a linguagem rebuscada dos comunicados oficiais, deve dar lugar a formatos mais “sociais” como vídeos, posts ou infográficos.

Fonte: Google News, Público

Internet em 2013

A Internet pode ser considerada como um ‘outro mundo’, que tem vindo a crescer de dia para dia e ao longo de todos os anos. O ano de 2013 não foi exceção, este ano os utilizadores da Internet chegaram quase a 40% da população mundial.
Assim, os grandes nomes da rede continuam a crescer a ter uma posição fixa a nível global.
Como já era de esperar o Google continua a ser o motor de busca mais usado por todos os países. E sem grandes admirações, o Facebook continua como sendo a rede social em primeiro lugar no top.
Relativamente apenas aos portugueses, nós também aumentamos no que se trata da utilização da internet.
Os sites nacionais de classificados de emprego foram os sites mais procurados pelos portugueses seguido dos sites de Bancos que receberam mais 3,8 milhões de visitantes, residentes em Portugal.

Fonte: Correio da manhã, através do link: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/lazer/ciencia/tecnologia/os-numeros-da-internet-em-2013

Image

Apesar de recente a aplicação fotográfica é utilizada por milhares utilizadores por todo o mundo. 

O Snpachat é uma plataforma de partilha de imagens que faz da privacidade a sua bandeira. Mas não será esta também uma das suas maiores fragilidades?

 A aplicação permite o envio de fotografias acompanhadas de breves mensagens. Até aqui igual a tantas outras. A inovação está no facto do Snapchat autodestruir as imagens alguns segundos após serem recebidas e de estas não ficarem armazenadas nos servidores da empresa. E assim responde a um dos atuais problemas da vida atual: a privacidade. 

Mas o problema é que esta é ilusória já que existem maneiras de contornar o sistema de autodestruição, uma delas o conhecido printscreen. 

Apesar dos aspetos negativos o Snpachat continua a ser a aplicação gratuita mais descarregada do mundo tornando Spiegel num multimilionário que rejeitou inclusive uma proposta de compra estrondosa do criador do Facebook, Mark Zuckerbeg

Aqui ficam alguns exemplos de Snaps cómicos

Image

 Image

Image

 

O jornalismo móvel e digital assume cada vez mais importância para o utilizador dos novos dispositivos móveis. Podemos pensar que grande parte dos cidadãos toma conhecimento das noticias da atualidade através do seu smartphone/tablets, através de feeds RSS e deixando para segundo plano os jornais em papel e as publicações impressas.

Este crescimento é acompanhado por aqueles dispositivos muito recentes, recorde-se que o iPhone surgiu em 2007 e o iPad apenas em 2010.

Até mesmo os números referentes aos “downloads” de apps mostram a dimensão do fenómeno.

Em 2013 a aplicação do «Público» foi descarregada por 421 mil utilizadores, a aplicação gratuita do «Expresso» foi descarregada por 157 mil utilizadores, a da «TSF» por 126 mil, a do «Jornal de Notícias» por 124 mil, a do «Correio da Manhã» por 52 mil, e a da «Rádio Renascença» por 13 mil.

Face ao jornalismo tradicional o móvel permite oferecer conteúdos mais personalizados usando as tecnologias dos dispositivos de receção. A capacidade multimédia, a ligação à Internet, o recetor de GPS ou o acelerómetro, por exemplo, permitem construir informação diferente de tudo o que os utilizadores estão habituados.

Fonte: Twitter

Só em 2013 a Apple registou 60 biliões de aplicações descarregadas da sua loja online

Só em 2013 a Apple registou 60 biliões de aplicações descarregadas da sua loja online

A criação de aplicações é um dos novos grandes negócios tecnológicos. Para criar uma App não é preciso grandes conhecimentos e há até quem já receba um segundo ordenado com este par-time.

Está praticamente ao alcance de qualquer pessoa programar o seu smartphone e depois partilhar essa “aplicação” com o mundo inteiro. Existem até concursos como o Appy Day,  que levam milhares de equipas internacionais rumo a Lisboa, à Lx Factory, promovendo o talento e creatividade. O desafio é a criação de uma aplicação mobile, para telemóvel ou tablet, em menos de 24 horas.

Na edição deste ano a aplicação vencedora foi a “Pharmassist” que pretende melhorar o dia-a-dia de pessoas com mais de 65 anos, ou com alguma deficiência visual. É uma app de realidade aumentada, que reconhece etiquetas emissoras colocadas em caixas de medicamentos, e traduz as mesmas para linguagem oral e descomplicada – “Este é o medicamento para o Colesterol. Tome agora, 2 comprimidos.”
Com a oferta tecnológica de smartphones e tablets a crescer as apps desempenham cada vez mais um papel fundamental na vidas dos utilizadores. As Apps permitem-nos tirar fotografias e partilhá-las à distancia de um toque com vários grupos, agendar eventos e receber notificações ou alertas desses eventos, tomar notas, ter a nossa biblioteca musical organizada ou até ler um livro.

Algumas das lojas de aplicações mais conhecidas e usadas são a App StorePlay StoreBlackbery World, a Samsung Apps e a Windows App Store

Fonte: Scoop.it

A tecnologia tende a avançar de dia para a dia, e os 12 meses do ano é considerado muito tempo para o mundo tecnológico. Assim, as empresas que não conseguem fazer face ao desenvolvimento tecnológico vão ficando “esquecidas”.
Em torno deste assunto, o jornal público escreveu uma noticia sobre a mesma intitulado como “os vencidos e vencedores na tecnologia de 2013”.

No grupo dos “vencidos”, existem várias marcas, duas das mais conhecidas são a Black Berry e a empresa Windows.

O ano para a Black Berry (http://pt.blackberry.com/) dificilmente podia ter corrido pior, no principio do ano apresentou um novo sistema operativo e ainda dois modelos de telemóveis que teve um resultado pouco esperado por parte da empresa, tanto um como outro modelo foram um fracasso de vendas. Passado alguns meses, a e após várias tentativas de encontrar um comprador, a empresa considerou que a “solução” passava por mudar a equipa de gestão e aumentar o capital. Neste final de ano a empresa comunicou que teve prejuízos trimestrais recorde.
A outra empresa que pertence a este grupo refere-se à Windows (http://windows.microsoft.com/pt-pt/windows/home) que no inicio do ano, lançou o Windows 8, que veio causar frustrações a muitos consumidores. A meio do ano lançou o Windows RT que parece ter sido uma aposta falhada. Também para a Windows o ano de 2013 não foi um ano particularmente bom.

Contudo para algumas empresas este ano foi um ano glorioso, são os considerados “vencedores” e neste estão presentes entre outros duas redes socias, o Facebook e o Twitter.
Comhecida como a rede social dos 140 caracteres, o Twitter (https://twitter.com/) está longe da dimensão do Facebook mas realizou uma entrada em bolsa muito bem sucedida, que a fez pertencer a este grupo.
Já o Facebook (https://pt-pt.facebook.com/),que no ano passado (2012) estava a enfrentar um grande problema, pois não estava a conseguir rentabilizar o número cada vez maior de utilizadores através de dispositivos moveis, contudo a empresa ainda o ano passado conseguiu ultrapassar o problema e já no inicio deste ano lançou uma nova estratégia de publicidade para estes dispositivos o que lhe garantiu sucesso e capacidade para fazer parte dos “vencedores” de 2013.

ImageInspirado no Google Glass, chega ao mercado um novo produto que, através de inteligência artificial, auxilia invisuais a ler ou identificar objetos. Basta apontar para o objeto e, com a ajuda de uma pequena câmara presa à armação dos óculos, identifica ou ajudar a procurar o objeto em questão. Um pequeno vídeo disponível na internet mostra como esta nova tecnologia pode ajudar a superar a limitação   (http://www.youtube.com/watch?v=nrWfLAh2T3k ). Neste vídeo, a mulher, Liat, consegue realizar várias tarefas consideradas simples, mas impossíveis para quem tem este tipo de limitações, como identificar o número do autocarro ou até mesmo ler um cardápio, com a ajuda deste equipamento. Este sistema, que torna os óculos capazes de ler e descrever textos e objetos, por enquanto encontra-se disponível apenas nos Estados Unidos.

Inúmeros investigadores de todo o mundo, exploram o potencial da tecnologia de modo a associa-la a soluções de acessibilidade e visão computacional, para assim ajudarem deficientes visuais a ter mais autonomia, superando os softwares e aplicativos para smartphones hoje disponíveis.

Existe ainda uma outra invenção capaz de ajudar deficientes visuais com capacidade de perceção de luz a melhorarem sua orientação espacial criada por Stephen Hicks, pesquisador de neurociência da Universidade de Oxford. Este desenvolveu uns óculos que detetam formas tridimensionais e permitem ao utilizador ver objetos próximos. O produto é composto por duas câmaras na parte frontal da armação que captam as imagens e as exibem numa tela OLED transparente na parte interna, criando assim um sistema de realidade aumentada para orientar o deficiente em relação ao que está na sua frente. Estes óculos possibilitam assim um maior conhecimento do espaço ao utilizador, dando-lhe mais confiança e autonomia.

O desenvolvimento das tecnologias possibilita então a criação de soluções para os necessitados. Não nos devemos esquecer deste tipo de pessoas com dificuldades, devemos aproveitar o desenvolvimento tecnológico para a criação deste tipo de sistemas que podem realmente fazer a diferença na vida dos utilizadores, tornando assim mais fácil a realização de tarefas. Estes produtos não permitem ao utilizador recuperar a visão, mas dá-lhes um mais fácil acesso à informação que procuram.

Fonte: blogs.estadao.com.br, através de Scoop.it

 

Imagem

O projecto ON-FI que surgiu no presente mês de Dezembro , irá trazer wi-fi gratuito no metropolitano de Lisboa. Inicialmente irá estar presente em apenas quatro estações de metro, mas espera-se uma expansão por todo o metropolitano até Março de 2014.

 A On Media Project anunciou que as primeiras quatro estações a usufruírem deste projeto irão ser a estação da Alameda, Campo Grande, Colégio Militar e Marquês de Pombal, do Metropolitano de Lisboa. 

“É objectivo da On Media Europe ter, até ao final do primeiro trimestre de 2014, o projecto ON-FI nas restantes estações do Metropolitano de Lisboa”, afirmou Francisco Sanches-Osório, director da On Media Europe.

“O estarmos sempre conectados faz parte da realidade dos nossos dias, indepentemente da faixa etária ou ocupação profissional, pelo que acreditamos que o projecto ON-FI estará num futuro próximo noutros locais de elevada concentração de pessoas”.

Fonte: ionline

kA Kik é mais uma aplicação de messaging, estilo WhatsApp, com suporte para diversas plataformas. A aplicação conta ja com um número consideravel de utilizadaores.

Os promotores da app anunciaram que a Kik conta já com 100 milhões de utilizadores . O produto tem fortes semelhanças com o WhatsApp, que é considerado o maior app, na mesma área. Permite enviar fotos e partilhar conteúdos, ou fazer conversas em grupo.

k2
As funcionalidades do serviço não são muito distintivas relativamente a outras ofertas, A simplicidade de utilização da app e na rapidez são os seus grandes trunfos dizem os desenvolvedores, mas também na privacidade, sendo que a identificação de cada utilizador não é feita através do seu número de telefone, mas através de uma identidade Kik.
A Kik está disponível para iOS, Android, Windows Phone e Blackberry OS.

 

Fonte: tek.sapo.pt  Atravéz de: feedly.com